Quando está calor, a gente logo trata de colocar roupas mais leves, correr para o chuveiro ou entrar num delicioso ambiente com ar condicionado. Mas e os bebês? Eles também sentem calor - e muito. Mas, como não falam, manifestam essa sensação de maneiras diferentes. Pode ser que fiquem mais chatinhos, irritados ou chorosos. A pele fica mais úmida, devido ao suor, e avermelhada. Com o aumento da temperatura corporal, podem surgir algumas brotoejas. O importante é que, para deixar o seu bebê mais confortável, você tenha alguns cuidados extras quando a temperatura subir.

Roupas

Os pais têm mania de agasalhar demais os recém-nascidos! Eles têm, naturalmente, os pés e as mãos mais frios do que o restante do corpo. Isso pode confundir os pais e fazer com que a criança seja mais agasalhada que o normal. Para evitar exageros, a dica é que os pais vistam a criança com uma camada a mais de roupa do que a eles estão usando.

No calor, o bebê deve usar tecidos leves e de fibras naturais. De preferência, algodão. Esses tecidos também são confortáveis, o que já acalma o bebê. Evite roupas de fibras sintéticas, pois elas retêm o calor e incomodam o bebê, e chapéus ou bonés com elástico, que podem atrapalhar a circulação do sangue. Eles não podem ser apertados e precisam ter as abas largas.

Alimentação

Quando a criança ainda está mamando, ela certamente vai aumentar a quantidade de mamadas por dia no calor. Isso porque o leite materno, composto basicamente de água, é suficiente para hidratá-la. Para os que desmamaram, ofereça água com mais frequência para evitar a desidratação.

Ar condicionado

Para o uso do ar condicionado, certos cuidados devem ser tomados. A manutenção do aparelho deve estar em dia e, o filtro, limpo e em condições adequadas. A temperatura em torno de 25 graus é indicada para manter a criança fresquinha. Como o ar ressaca as vias respiratórias do recém-nascido, o que pode causar infecções, uma boa dica é manter o ambiente umidificado, usando uma bacia com água ou um umidificador de ar.

É fundamental que o pequeno não saia do ambiente frio para o quente de uma hora para outra, para que não ocorra um choque térmico, que pode causar doenças respiratórias. Se a criança for passar muito tempo neste ambiente, desligue o ar condicionado na hora do banho e só volte a ligá-lo quando a criança estiver totalmente vestida e com o cabelo seco. O ventilador também pode ser usado, desde que não seja direto em cima do bebê.

Para se refrescar

Nas altas temperaturas, a mamãe pode aumentar a quantidade de banhos na criança. Dica: use o sabonete em apenas um dos banhos, para não irritar a pele frágil do bebê.

Curtir uma piscina é uma outra sugestão refrescante. Há até aulas de natação junto com os pais para crianças a partir de três meses. No entanto, alguns pediatras preferem esperar até pelo menos 6 meses ou mais para reduzir o risco de infecções no ouvido (otites). Antes de levar o bebê para a piscina, converse com o pediatra.

Exposição ao sol e passeios

É importante que o bebê tome seu banho de sol de 20 minutinhos por dia para absorção da vitamina D, importante para os ossos. Mas evite os horários mais quentes (das 10h às 17h). Quando o bebê é pequeno, o melhor é ficar em ambientes cobertos nesse período. Se for extremamente necessário sair no sol, proteja bem a criança e não deixe o sol bater direto na pele delicada da criança por longos períodos.

Nunca deixe o bebê dormindo dentro do carro estacionado! Infelizmente esse erro já custou a vida de muitas crianças. Saiba que a temperatura dentro do carro pode aumentar muito rápido, mesmo quando aparentemente não está tão calor assim. O aumento da temperatura causa a hipertermia, ou seja, a criança fica quente demais, o que leva à rápida desidratação e até à morte.

Brotoejas e assaduras

O aparecimento de irritações na pele que causam desconforto nas dobrinhas do corpo é comum no verão. Para prevenir o incômodo, o ideal é trocá-lo logo que perceber sua fralda molhada ou suja e limpar bem a pele.

Na praia

Evite dar água, sucos, sorvetes e picolés de origem duvidosa. Carregue sempre a água para o bebê. Cuidado também se for transportar alimentos como a sopinha, por exemplo. Sem o armazenamento adequado, no calor, a comida pode se deteriorar rápido.

Cuidado com óculos de plástico sob o sol. A passagem da luz solar por óculos de plástico transparente colorido pode prejudicar os olhos da criança. Óculos escuros, mesmo os infantis, precisam ter proteção contra os raios ultravioletas do sol. Na dúvida, não use.

Picadas de Mosquito

Para afastar os bichinhos da criança, o método mais inofensivo é o uso de telas nas janelas e mosquiteiros. Aparelhos de tomada e sprays podem ser prejudiciais. Se não houver saída, deixe o aparelho longe local onde o bebê for dormir. Não esqueça de vesti-lo com roupas leves que cubram a maior parto do corpo.

Os especialistas só recomendam usam de repelente, de qualquer tipo, apenas em bebês acima de 6 meses.

Veja uma receitinha natural de repelente indicada pela modelo e mãe de trigêmeos Isabella Fiorentino.

Você vai precisar de:

  • 1/2 litro de álcool
  • 1 pacote de cravo da Índia (10 g)
  • 1 vidro de óleo de bebê (100 ml)

Modo de preparo:

Deixe o cravo curtindo no álcool quatro dias. Agite de manhã e à tarde.

Coloque o óleo corporal (pode ser de amêndoas, camomila, erva-doce, aloe vera).

Modo de uso:

Passe só uma gotinha nos braços e nas pernas. É o suficiente.

Produtos

Diminua o uso de óleos ou cremes no bebê. Eles podem colaborar para o surgimento de dermatite ou brotoejas se não forem retirados corretamente no banho. Também reduza o uso do talco. O contato do produto na pele molhada pode causar irritação e desconforto.  E, as partículas do pó são muito finas, podendo entrar nas vias respiratórias.

Os especialistas aconselham o uso de protetor solar, de qualquer tipo, apenas em bebês acima de 6 meses. Dê preferência aos produtos naturais.

No mais, consulte o pediatra, esteja atento ao seu bebê e aproveite o verão!